• Carlos Guglilelmeli

Reforma política. JÁ?


Alguém acredita em interesse público nos atos dessa atual legislatura federal?

Hoje o parecer do deputado Vicente Cândido (PT-SP) que trata da reforma política começa a ser lido na Câmara dos Deputados Federais e deve ir para votação nas comissões ainda essa semana.

Esse súbito interesse dos deputados e senadores em finalmente fazer tão desejada reforma política certamente não tem muito a ver com os interesse públicos como o combate à corrupção, a promoção de disputas políticas justas e ou moralização das administrações públicas.

Tudo o que se discute hoje são medidas que parecem atendar ás necessidades dos políticos que não conseguem ver vida sem corrupção.

Uma das propostas é o financiamento público das campanhas. Os deputados querem levar R$ 3,5 Bilhões dos contribuintes, supostamente para coibir a corrupção comprada pelas grandes fortunas.

Doce ilusão, o fato é que as grandes candidaturas nunca experimentaram fazer campanha sem o dinheiro das grandes empresas e a Lava Jato assustou os “Compradores ou locatários de políticos”, pois o ”toma lá dá cá” está dando cadeia quando cai nas mãos das primeiras instâncias.

Sem dinheiro, pois a corrupção teve que desacelerar por culpa da polícia, os recursos públicos passaram a ser a única fonte certa caso aprovem a lei. Lembrando que a corrupção só desacelerou, não acabou.

O voto distrital é uma das mais evidentes medidas para beneficiar os grandes caciques políticos envolvidos nas denúncias.

Ricos por já terem “propinado” muito, mas queimados pela revelação de seus crimes, esses figurões da política querem garantir seus mandatos recebendo as indicações dos partidos, muitas vezes dirigidos por eles mesmos. A pessoa vota na legenda que por sua vez poderia indicar até o Fernandinho Beira Mar para uma vaga na câmara.

Todas as alterações provavelmente tenham motivos escusos e dado o grau de contaminação dessa legislatura, as artimanhas podem ser mais perniciosas, ao ponto de piorar o que já está ruim.

Portanto é preciso que a sociedade pense bem, mas rápido, pois os deputados já estão correndo para se dar bem mais uma vez as custas do prejuízo do povo.

Entre fazer ou não a reforma política com esses políticos que ai estão, melhor deixar quieto


Carlos Guglielmeli

O nosso objetivo é comentar as notícias com uma pitada de avaliação pessoal. Aqui a primeira pessoa, tanto singular como do plural, não são proibidas nos textos.

Boa leitura!

Siga "PELO MUNDO"
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Blogger Social Icon
  • Instagram Social Icon